Livros de educação
top of page

Cyberslacking em alunos: navegando pelos desafios tecnológicos na educação

Autora: Simaia Sampaio

Publicado em 06 de janeiro de 2024 (Ver forma de referenciar ao final do texto).

No mundo digitalizado em que vivemos, a tecnologia desempenha um papel cada vez mais central em todos os aspectos de nossas vidas, incluindo a educação. No entanto, surge um desafio significativo no horizonte educacional: o cyberslacking, um fenômeno que atinge alunos em suas jornadas de aprendizado.

A tradução de "cyberslacking" para o português seria algo como "cibervagabundagem", "cibervadiagem" ou "ciberfolga". Esse termo é usado para descrever o comportamento de usar a tecnologia de maneira inadequada ou improdutiva, especialmente no ambiente de trabalho ou educacional, onde as pessoas se dedicam a atividades não relacionadas às suas responsabilidades profissionais ou acadêmicas. Desde a navegação em redes sociais até o consumo de conteúdo de entretenimento online, os alunos enfrentam distrações que comprometem seu foco no aprendizado.

Dados estatísticos recentes revelam que cerca de 75% dos alunos admitem envolver-se em práticas de cyberslacking durante as atividades escolares. Essa estatística alarmante destaca a extensão do problema e a necessidade premente de compreendê-lo mais profundamente.

As consequências do cyberslacking entre alunos vão além da simples distração. A diminuição da concentração durante as aulas resulta em um entendimento superficial dos conteúdos apresentados. Isso, por sua vez, contribui para uma queda no desempenho acadêmico, impactando diretamente a qualidade do aprendizado.

Além disso, o cyberslacking pode levar ao desenvolvimento de hábitos prejudiciais, como a procrastinação. Esses padrões comportamentais, se não abordados, podem persistir ao longo da vida acadêmica e, posteriormente, na vida profissional.

Este é um problema que pode ser confundido com o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), um transtorno do neurodesenvolvimento e neuropsiquiátrico que afeta a capacidade de prestar atenção, controlar impulsos e regular o nível de atividade.

Ambos os fenômenos podem apresentar sobreposições de sintomas que contribuem para a confusão. Por exemplo, tanto o cyberslacking quanto o TDAH podem resultar em dificuldades para manter o foco em tarefas específicas, distração constante, dificuldade de concentração e procrastinação, levando a uma queda no desempenho acadêmico ou profissional.

O uso constante de dispositivos eletrônicos para atividades não relacionadas ao trabalho ou estudo, característico do cyberslacking, pode parecer, à primeira vista, uma falta de atenção semelhante àquela observada em indivíduos com TDAH. Além disso, a procrastinação associada ao cyberslacking pode ser interpretada erroneamente como falta de motivação.

É crucial reconhecer as diferenças essenciais entre esses fenômenos. O cyberslacking é, muitas vezes, resultado de escolhas individuais e comportamentais, influenciado pelo ambiente e pelas circunstâncias. Pode ser corrigido através de estratégias educacionais e mudanças no ambiente de trabalho ou acadêmico.

Por outro lado, o TDAH é um transtorno neuropsiquiátrico com raízes neurobiológicas. As dificuldades de atenção, hiperatividade e impulsividade associadas ao TDAH não são resultado de escolhas, mas sim de diferenças no funcionamento do cérebro. O diagnóstico e o tratamento do TDAH geralmente envolvem intervenções médicas e terapêuticas específicas.

Em situações em que as características do cyberslacking se assemelham a sintomas de TDAH, é fundamental adotar uma abordagem cautelosa e individualizada. Avaliações profissionais, como aquelas conduzidas por psicólogos, psiquiatras ou profissionais de saúde mental, são essenciais para distinguir entre comportamentos resultantes de escolhas e aqueles associados a condições médicas específicas.

A compreensão da interseção entre o cyberslacking e o TDAH destaca a necessidade de abordagens diferenciadas no ambiente educacional e profissional. Ao reconhecer essas nuances, podemos desenvolver estratégias mais eficazes para apoiar indivíduos, garantindo que as intervenções sejam adaptadas às necessidades específicas de cada caso.

No entanto, também é possível que pacientes portadores do TDAH desenvolvam comportamento de cyberslacking. A constante estimulação digital, a variedade de informações online e as distrações presentes em redes sociais podem tornar difícil para essas pessoas manterem o foco em tarefas específicas. Nesse contexto, o cyberslacking pode se desenvolver como uma forma de escapar da monotonia percebida ou buscar estímulos mais imediatos e gratificantes.

A procrastinação é uma característica comum do TDAH, e a disponibilidade de entretenimento instantâneo online pode alimentar esse comportamento. O cyberslacking se torna uma maneira de adiar tarefas, enquanto a busca por recompensas imediatas oferecidas pela internet muitas vezes supera a avaliação ponderada das consequências a longo prazo.

A tomada de decisões impulsivas, também associada ao TDAH, pode levar a escolhas online que não estão alinhadas com metas acadêmicas ou profissionais. A falta de inibição impulsiva pode resultar em uma busca descontrolada por distrações digitais, contribuindo para o desenvolvimento do cyberslacking.

Entender como o TDAH e o cyberslacking podem se entrelaçar é fundamental para desenvolver estratégias de manejo eficazes. 

É necessário promover a conscientização sobre os desafios específicos enfrentados por pessoas com TDAH na era digital. Pessoas com TDAH precisam de ajuda para implementar ferramentas e técnicas de gerenciamento de tempo para ajudar na organização e na priorização de tarefas. Buscar a orientação de profissionais de saúde mental, psicólogos ou terapeutas especializados em TDAH, pode ser particularmente importante. A terapia visa desenvolver uma consciência para criar ambientes estruturados tanto em casa quanto no trabalho, com rotinas claras e áreas designadas para tarefas específicas. 

A Terapia Cognitivo-Comportamental é uma abordagem eficaz para tratar o cyberslacking. Ela foca na identificação e modificação de padrões de pensamento disfuncionais e comportamentos inadequados. Durante as sessões, o terapeuta ajuda o indivíduo a reconhecer pensamentos automáticos negativos que podem levar ao cyberslacking e a desenvolver estratégias para mudar esses padrões.

Independentemente da abordagem terapêutica escolhida, o desenvolvimento de habilidades de autorregulação é fundamental. Isso inclui a criação de estratégias específicas para gerenciar impulsos, estabelecer limites de tempo para o uso da tecnologia e promover a consciência do impacto do cyberslacking nas metas pessoais e profissionais.

O tratamento psicoterapêutico para o cyberslacking é uma jornada personalizada de autodescoberta e transformação. Ao trabalhar em colaboração com um terapeuta, os indivíduos podem explorar as raízes profundas desse comportamento, adquirir habilidades de autorregulação e desenvolver estratégias para um uso mais saudável da tecnologia. A terapia oferece um caminho empoderador para superar o cyberslacking, promovendo uma vida equilibrada e produtiva na era digital.

 

O papel da escola

Os profissionais da educação também possuem um papel relevante para auxiliar alunos envolvidos nesta problemática. As escolas precisam explorar estratégias eficazes para prevenir e enfrentar o cyberslacking entre os alunos.

Cabe à escola investir na conscientização, na educação digital e na promoção de práticas responsáveis online. Isto é fundamental para moldar uma geração de estudantes comprometidos com seu próprio crescimento acadêmico. Ao enfrentar o cyberslacking de maneira proativa, podemos construir um futuro educacional mais focado, engajado e próspero.

Desta forma, implementar programas educacionais que visem não apenas instruir, mas também sensibilizar os alunos sobre o uso responsável da tecnologia é fundamental. Esses programas podem abordar os riscos do cyberslacking e promover práticas online seguras e produtivas.

O papel dos pais

Os pais possuem  papel crucial na orientação e na prevenção do cyberslacking. Cabe aos pais orientar seus filhos sobre o uso responsável da tecnologia, explicando as consequências do cyberslacking e promovendo a conscientização sobre a importância de estabelecer limites no tempo de tela. Discutir abertamente sobre o impacto das distrações online nas responsabilidades acadêmicas e no desenvolvimento pessoal é crucial para uma compreensão mútua.

Definir limites claros para o tempo de uso de dispositivos eletrônicos é uma prática fundamental. Os pais podem colaborar com seus filhos para estabelecer horários específicos para o estudo, atividades online e lazer. Isso não apenas promove uma divisão equilibrada entre o mundo digital e o analógico, mas também incentiva a responsabilidade e o autogerenciamento.

Os pais servem como modelos de comportamento para seus filhos, portanto, é necessário demonstrar um relacionamento saudável com a tecnologia, mostrando como utilizá-la de maneira produtiva e equilibrada. Isto ajuda a criar uma base sólida para que os filhos internalizem esses hábitos. A imitação é uma poderosa ferramenta de aprendizado, e pais que praticam o equilíbrio digital transmitem valores valiosos aos seus filhos.

Participar ativamente da vida digital dos filhos é uma estratégia eficaz. Os pais podem envolver-se nas atividades online de seus filhos, compreendendo seus interesses e estabelecendo diretrizes claras para o uso responsável da tecnologia. Essa abordagem não apenas fortalece os laços familiares, mas também permite que os pais monitorem de perto o comportamento online de seus filhos.

CONCLUSÃO

O cyberslacking é um desafio que exige uma abordagem holísticade. Pais, educadores e alunos devem colaborar para criar um ambiente educacional equilibrado, onde a tecnologia seja uma aliada, não uma distração. Ao compreender suas consequências e implementar estratégias preventivas, podemos criar um ambiente educacional mais produtivo, estimulante e propício ao desenvolvimento integral dos estudantes. Investir na conscientização e no uso responsável da tecnologia é fundamental para moldar uma geração de aprendizes comprometidos e focados em seu crescimento acadêmico.

Como referenciar este texto:

SAMPAIO, Simaia. Cyberslacking em alunos: navegando pelos desafios tecnológicos na educação. Psicopedagogiabrasil, 2024. Disponível em: <www.psicopedagogiabrasil.com.br/cyberslackingemalunos>. Acesso em:  dia, mês e ano. 

bottom of page
Livros de educação