Livros de educação
top of page

Como a depressão infantil afeta a aprendizagem

depressão e aprendizagem.jpg

Autora: Simaia Sampaio
Publicado em: 28 de janeiro de 2024 (Ver forma de referenciar ao final do texto

A depressão infantil é um transtorno psicológico que afeta a saúde mental de crianças e adolescentes em idade escolar, e suas implicações se estendem para vários aspectos da vida, incluindo a aprendizagem. Este problema pode impactar significativamente o desenvolvimento cognitivo e consequentemente o desempenho acadêmico, interferindo negativamente na forma como elas absorvem, processam e aplicam conhecimentos. Por este motivo é muito importante que pais e educadores estejam atentos à manifestação dos sintomas para oferecer ajuda.

A depressão infantil pode se manifesta através de sintomas como falta de energia, perda de interesse em atividades que antes eram prazerosas, dificuldades de concentração e alterações no apetite e no sono. Esses sintomas podem se tornar um desafios na sala de aula. Crianças deprimidas podem sentir-se desmotivadas e cansadas, tornando-se propensas a apresentar baixo rendimento acadêmico, falta de participação em atividades escolares e dificuldades de concentração em tarefas.

Além disso, a depressão infantil pode estar associada a sentimentos de baixa autoestima e autoconfiança. Crianças que enfrentam esses desafios emocionais podem se ver incapazes de lidar com os desafios escolares, sentindo-se inseguras sobre suas habilidades e, consequentemente, podem passar a evitar tarefas escolares que normalmente realizariam. Esse comportamento de evitação pode levar a um ciclo prejudicial, onde a criança se distancia cada vez mais das atividades acadêmicas, prejudicando seu progresso educacional. Esta situação que pode ser confundida com o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e por esta razão uma avaliação neuropsicológica e psiquiátrica é extremamente importante.

O ambiente escolar desempenha um papel crucial no bem-estar emocional das crianças. Uma atmosfera acolhedora, professores atentos e colegas de classe solidários são fatores que podem ajudar a diminuir os impactos negativos da depressão infantil na aprendizagem. No entanto, se não forem fornecidos os apoios adequados, o ambiente escolar pode se tornar um gatilho adicional para o agravamento dos sintomas depressivos em função de o aluno sentir-se sobrecarregado e não dar conta de acompanhar os estudos, já que a falta de concentração é um componente afetado na depressão pela falta de energia.

É imprescindível que pais, educadores e profissionais de saúde estejam atentos aos sintomas de depressão infantil e adotem providências integradas para lidar com essa condição. Intervenções psicossociais e aconselhamento são fundamentais. Em alguns casos, o tratamento medicamentoso pode ser componente importante no processo de recuperação, e deverá acontecer sob supervisão médica. Além disso, criar um ambiente escolar que promova a saúde mental e ofereça suporte emocional é crucial para ajudar estas crianças ou adolescentes a superarem os desafios que a depressão pode impor à sua jornada educacional.

A depressão infantil muitas vezes coexiste com outros transtornos, como transtornos de ansiedade e TDAH, que também podem ter implicações na aprendizagem. Desta forma, uma avaliação neuropsicológica é imprescindível para realizar diagnósticos diferenciais ou comórbidos.

Profissionais de psicopedagogia devem estar atentos aos sintomas em seus pacientes. Caso percebam sinais de depressão infantil, é fundamental encaminhar para um psicólogo infantil. No entanto, durante a intervenção, o psicopedagogo pode desempenhar um papel crucial como aliado na superação das dificuldades enfrentadas pela criança ou adolescente. Adotar uma atitude positiva diante das adversidades, realizar atividades lúdicas e jogos que estimulem o raciocínio durante as sessões são estratégias do psicopedagogo para tornar o processo terapêutico mais agradável, favorecendo a mudança de humor. Além disso, cabe a esse profissional identificar padrões de aprendizagem, personalizando as intervenções e auxiliando no desenvolvimento de estratégias que facilitem a absorção do conhecimento. Colaborar de maneira integrada com profissionais de saúde mental é essencial para proporcionar uma assistência abrangente. Pode ser necessário estabelecer diálogo com a escola, buscando adaptações curriculares e flexibilização nas exigências de tarefas de casa, especialmente durante o período mais crítico da depressão. Essa colaboração multidisciplinar visa promover o bem-estar integral da criança ou adolescente. Entretanto, é crucial alertar a família de que a diminuição das responsabilidades das tarefas da escola passadas para casa, não deve ser interpretada como uma permissão para que a criança ou adolescente passe longos períodos assistindo TV, jogando no celular ou videogame. Tal abordagem visa evitar que a criança associe essa redução de tarefas a uma recompensa secundária, prolongando comportamentos depressivos mesmo após superar a condição.

A depressão infantil não apenas afeta o bem-estar emocional das crianças, mas também tem implicações significativas na sua capacidade de aprender e se desenvolver academicamente. A abordagem integrada e o suporte emocional são essenciais para mitigar esses impactos, permitindo que as crianças enfrentem os desafios escolares com maior resiliência e eficácia.

Como referenciar este texto:

SAMPAIO, Simaia. Como a depressão infantil afeta a aprendizagem. Psicopedagogiabrasil, 2024. Disponível em: <www.psicopedagogiabrasil.com.br/depressãoinfantileaprendizagem>. Acesso em:  dia, mês e ano. 

LEIA TAMBÉM:  Como identificar sinais de depressão em crianças:um guia para pais e educadores

bottom of page